Os impulsos são reações imediatas de emoções e é comum aparecerem diante de uma tristeza ou decepção, podendo fazer com que uma determinada atitude seja tomada, por amenizar a dor. Com isso, em uma sociedade em que bens e aquisições são associados a sentimentos gratificantes e ao status, um determinado momento, tomado por emoções negativas, pode ser responsável por uma desestabilização na vida financeira de um indivíduo. Por isso, controle das finanças, especialmente em longo prazo, é tão importante.

Apesar de fatores sociais influenciarem nas complicações financeiras de diversas famílias, a falta da educação financeira pode ser responsável pelo desenvolvimento de hábitos ruins, que geram decisões, muitas das vezes, prejudiciais. Além disso, é possível adquirir outros problemas, como os de saúde: doenças físicas ou psíquicas.

Para saber mais sobre como e porquê o controle das finanças está ligado à suas emoções, continue lendo esse artigo do Raphael Bremenkamp.

Saiba como adotar o controle das finanças

emoções influenciando no controle das finanças

Mesmo você estando no meio de uma quitação de dívida, você pode e deve guardar parte da sua renda, não importando a quantia. Não só para imprevistos que fazem parte da vida como manutenção de um veículo, tratamento médico, urgência médica, viagem de última hora e afins, mas, também, para questões que realizem você como ser humano, sendo elas momentos com os familiares, uma viagem dos sonhos e outras. Tais situações não devem ser encaradas como gasto e sim, investimento, pois a sua saúde mental e física implica nas suas decisões e no controle das finanças. Mas vale ressaltar que, uma vez existindo, a quitação das dívidas deve ser sempre priorizada.

Consumir é diferente de comprar

Devido ao fato de bens apresentarem valores para a sociedade, muitos acabam comprando coisas que não necessariamente estão precisando. O princípio básico do controle das finanças é, justamente, a inteligência financeira. Ou seja, comprar o que necessitamos. Mesmo que seja momentâneo, a sensação de ter todos perguntando onde você comprou uma determinada roupa ou elogiando seu carro novo, alimenta seu ego e sua auto-estima, dando sensações prazerosas, o que nos impede de parar os gastos e os justifica.

A inteligência financeira independe de classe social ou nível de instrução. Uma pessoa com estudos limitados ou analfabeta consegue administrar melhor que um doutorado, se entender sua situação financeira, valorizando sua renda e agindo de forma racional.

As emoções negativas como ansiedade ou baixa auto estima pode levar a busca de compensação em algo e isso, geralmente, ocorre nas compras.

Como impedir que as emoções atrapalhem o controle das finanças?

No caso de evitar gastos impulsivos, gerados por emoções, é preciso estar, principalmente, consciente do seu estado antes de ir às compras. Procure não realizá-las em dias ruins, pois você pode comprar o que não precisa e sim, o que alimente seu ego ou um desejo momentâneo.

Procure pesquisar os preços de produtos, pois, durante tal momento, além de encontrar condições melhores de compra, você pode utilizar esse tempo para reavaliar a necessidade da compra e realizar um controle das finanças.
No momento das compras, procure desfocar do que não é a sua necessidade no momento e, principalmente, evite a companhia de pessoas consumistas em tais situações.

Em casos de dificuldades, você pode contratar a ajuda de um consultor de finanças pessoais para implantar medidas de controle das finanças no seu cotidiano, criando novos hábitos financeiros.

O consultor financeiro Raphael Bremenkamp possui anos de experiência no mercado e sabe encontrar a melhor maneira para você obter sua estabilidade financeira. Entre em contato e marque uma conversa.

Links úteis:
consultor financeiro pessoal sp
consultor de finanças pessoais
consultor de investimentos